Ok Computer | Vinte Anos

OK-Computer-OKNOTOK-1997-2017-Opaque-Blue-Triple-Vinyl-LP-or-Black-Triple-Vinyl-LP (1).gif

Vinte anos anos atrás este que vos escreve tinha 22 anos.

Época estranha, de transição, escolhas, emprego, responsabilidades, tensão.

Era um ano de grandes discos. “Urban Hymns” do The Verve, “Fat of The Land” do Prodigy, “Dig Your Own Hole” do Chemical Brothers, “The Colour And The Shape” do Foo Fighters , “Ultra” do Depeche Mode entre outros grandes discos.

O Radiohead era uma banda inglesa cujo primeiro álbum , “Pablo Honey”, tinha ecos do rock alternativo americano dos anos 90 (cortesia de Sean Slade e Paul Kolderie, produtores de Dinosaur Jr e Buffalo Tom) e no segundo trabalho , “The Bends”, o grupo assimilou o então emergente britpop. Mesmo assim o grupo não se encaixava nesse rótulo. Suas letras falavam de metáforas complexas, poemas por vezes enigmáticos e o som transitava do ruído alto ao dedilhado melancólico.

Veio então o terceiro trabalho. Produzido por Nigel Godrich (que havia produzido o belo “Carnival of Light” do Ride) “OK Computer” narrava de forma assustadora os medos do futuro tecnológico. A desilusão de um mundo que não conseguiu corrigir seus problemas e de como seríamos dragados pela tecnologia como escravos permeiam o disco.

Tudo começa com os loops desconexos de “Airbag”, passeia pela indecifrável “Paranoid Android”, caminha pelas climáticas ” Subterranean Homesick Alien” e “Exit Music (For a Film)” e desenha um filme experimental. “Let Down” representa o final do século e todos os medos que isso trazia. “Karma Police” era um outro enigma poético. “Fitter Happier” soa quase como uma vinheta cibernética.  Mais energética “Electioneering” é o mais próximo que a banda chegaria ao som inicial do grupo. “Climbing Up The Walls” prevê o radicalismo sonoro do seguinte álbum “Kid A”, “No Surprises” é minha favorita do cd. A síntese de toda a melancolia presente nas letras de Thom Yorke deitada numa cama de efeitos e acordes. “Lucky” já fora vista em outras coletâneas e é a mais fraca do trabalho e “The Tourist” encerra “OK Computer” e a música inglesa do século XX com guitarras inundando nossos ouvidos com medo e desesperança.

Nada mais seria como antes.

E viver para conhecer um clássico sendo executado diante de nossos olhos foi um privilégio. Poucos trabalhos posteriores de qualquer banda conseguiriam ter o mesmo poder da trupe do Radiohead.

Em comemoração aos vinte anos do álbum uma edição de luxo com várias bonus tracks e algumas faixas inéditas será lançado, para nosso deleite.

1. “Airbag” 4:45
2. Paranoid Android 6:25
3. “Subterranean Homesick Alien” 4:26
4. “Exit Music (For a Film)” 4:26
5. “Let Down” 4:58
6. Karma Police 4:22
7. “Fitter Happier” 1:56
8. “Electioneering” 3:49
9. “Climbing Up the Walls” 4:44
10. No Surprises 3:51
11. “Lucky” 4:16
12. “The Tourist”

Lançado em 21 de maio de 1997.

Ouça Aqui

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s